ANPUH EM DEFESA DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO

Frente à grave crise política que estamos atravessando no país, a ANPUH se pronuncia em defesa do Estado Democrático. Manifesta repúdio a qualquer ato que ponha em risco as instituições democráticas arduamente reconstruídas após anos de ditadura. Condena o espetáculo de "judicialização da política" e "politização do judiciário" e as representações salvacionistas que elegem paladinos da moralidade pública e os transforma em "salvadores da pátria", fenômeno antigo em nossa cultura política que, de tempos em tempos, ressurge ameaçando a ordem constitucional.

Diretoria da ANPUH-Brasil

1 Comentário

  • Vitor Oliveira 23 Março 2016

    o importante a ANPUH se posicionar diante de temas contemporâneos relevantes, em que pese não concordar por completo com o conteúdo da nota (pois na crise atual não temos apenas duas posições que se expressariam em polos como: a favor e contra o governo; golpista x defensores do Estado de Direito; coxinhas x movimentos sociais de defesa da democracia). Como associação de historiadores professores, não devemos nos furtar dos debates públicos.
    Gostaria, todavia, de ver este mesmo empenho da diretoria no que diz respeito à temas e embates mais próximos da área de História e da academia. Explico minha crítica: em 2012 e 2015 tivemos, respectivamente, as duas maiores greves docentes nas IFE que questionavam a política do mesmo governo que agora está em risco de ser destituído. As greves traziam como pauta a defesa da Universidade Pública. A resposta do governo foi mais ataques, com cortes de verbas e de direitos trabalhistas.
    Nas duas oportunidades solicitei, como filiado, uma manifestação pública da ANPUH em defesa da Universidade e pela negociação. Em 2012 a diretoria à época argumentou que a Entidade não devia se manifestar diante de todos temas políticos. Com muito custo divulgou um pequeno parágrafo escondido na sua página na internet. Em 2015, quando da assembleia da ANPUH em Florianópolis, apresentei a proposta de uma nota de repúdio ao Ministro da Educação por não receber o Comando de Greve, quando já tínhamos cerca de 1 mês de paralisação (em uma greve que perdurou mais de 100 dias). Aprovou-se, com alguns votos contrários, mas a ANPUH não encaminhou a divulgação da nota.

    Saudações históricas.

Deixe um comentário